Serviço de Leitura de Sábado

Self-Realization Fellowship

CENTRO DO RIO DE JANEIRO

 

 

LEITURAS PARA SERVIÇOS
ENSINAMENTOS DE PARAMAHANSA YOGANANDA

 

A ALEGRIA DE VIVER
FINDING THE JOY IN LIFE

 

Volume I/49

Rio de Janeiro, 08 de dezembro de 2018

 

AFIRMAÇÃO

Mesmo quando nossos esforços são coroados com o máximo sucesso, todos os propósitos comuns da vida só oferecem alegria parcial; mas, quando Te procuramos, canalizamos o reservatório de infinita bem-aventurança.

(Meditações Metafísicas)

 

PASSAGEM DA BÍBLIA – EVANGELHO DE SÃO MATEUS

Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.

(4:17)

Comentário da Bíblia por Paramahansa Yogananda

O céu é o estado de alegria transcendental e onipresente, onde nenhuma tristeza jamais ousa pisar. Por meio de contínuas boas ações, as almas terminam alcançando o beatífico estado de bem-aventurança, do qual não há queda. Boas ações significam meditação e boas obras. Apenas os devotos que não estão firmes na meditação é que podem escorregar e cair desse estado de felicidade.

Cada devoto que atinge o estado de bem-aventurança cósmica se torna unido ao Rei da Ventura Celeste, ou Deus. O reino dos céus é o reino da consciência cósmica, que pertence a Deus, ou Rei, ou a qualquer outra alma elevada que com Ele se unifica. A alma que se funde com Deus sente a bem-aventurança cósmica de estar unida a Ele. Portanto, qualquer devoto que aspire ao reino dos céus deve unir sua consciência à consciência divina, tornando-se rei do universo.

 

PASSAGEM DO BHAGAVAD-GITA

O abençoado Senhor falou: “Ó Arjuna! Quando um homem renuncia completamente a todos os desejos da mente, e quando o Ego está totalmente satisfeito em seu verdadeiro Ser, ele é então considerado firme na sabedoria.”

(II:55)

 

Comentário do Gita por Paramahansa Yogananda

O sábio percebe que o Eu interior contém, em si, toda a bem-aventurança. Aquele que só se satisfaz com essa alegria completa possui firme sabedoria. O homem comum é como o rei que sai de seu belo palácio para se envolver nos sórdidos passatempos dos cortiços.

A maioria das pessoas não entende porque o Gita nos aconselha a acabar com os prazeres dos sentidos e a nos concentrar na alma. Os prazeres da carne só existem por causa da identificação ilusória da alma com o corpo – assim como um amante louco de amor, identificado com sua amada, acredita que a felicidade depende só dela!

Quando uma alma se livra completamente de todo o mel envenenado do desejo humano e bebe, no cálice do eu exterior, ou Ego, o mel puro da alegria do Eu interior, atinge então a sabedoria perfeita.

 

* * *

A DESCOBERTA DO VERDADEIRO SER
(Autobiografia de um Iogue)

“Dúvidas ateístas me assaltam com freqüência. Apesar disso, uma torturante suspeita, às vezes, me atormenta: não existirão na alma possibilidades inexploradas? O homem não está perdendo seu verdadeiro destino se deixa de explorá-las?”

Essas observações de Dijen Babu, meu colega de quarto na pensão Panthi, nasceram do convite que lhe fiz para conhecer meu guru.

– Sri Yukteswarji o iniciará em Kriya Yoga – respondi. – O torvelinho dualista será acalmado por uma divina certeza interna.

Naquela noite, Dijen foi comigo ao eremitério. Na presença do Mestre, meu amigo recebeu tamanha paz espiritual que logo se tornou visitante assíduo.

As preocupações triviais da vida cotidiana não satisfazem nossas necessidades mais profundas; também de sabedoria o homem tem fome inata. As palavras de Sri Yukteswar inspiraram Dijen a tentar descobrir dentro de si um ser mais real que o ego superficial de uma encarnação transitória.

 

* * *

 

QUE EU POSSA ME AFOGAR EM TEU OCEANO E VIVER

Venho a Ti com uma canção de alegria. Fervorosamente, eu Te ofereço os tesouros do cofre secreto de minha alma.

Do favo de meu coração colho, para Ti, o mel da devoção. Tudo que é meu é Teu.

Eu estava sedento no deserto das falsas esperanças. Agora, a sede de meus desejos foi aplacada para sempre, bebendo de Ti.

Faíscas de Tua chama docemente perfumada flutuam até mim. O pavio de minha felicidade se acende com as fagulhas de Teu fogo de bem-aventurança.

Eu agonizava no meio das miragens de oásis da Terra. Agora, as alegres ondas de Teu Espírito me envolvem. Que eu possa me afogar em Teu Oceano e viver.

(Sussurros da Eternidade)

* * *

 ENCONTRAR A ALEGRIA DE VIVER

Paramahansa Yogananda

Seja qual for o seu objetivo na vida, você deve buscá-lo com alegria, na expectativa de ter alegria ao atingi-lo, além de sentir alegria quando realmente o conseguir. Se a vida lhe desse, de uma só vez, tudo que você desejasse, como riqueza, poder e amigos, cedo ou tarde você se cansaria; mas há uma coisa que nunca se torna monótona: a própria alegria.

Quer você se esforce, direta ou indiretamente, para alcançar diferentes objetivos, o que busca, na verdade, é a alegria. Você procura a alegria, na realização de seus desejos.

Por que não buscar a alegria diretamente? Por que buscá-la usando o intermediário dos objetos e prazeres materiais? Você não quer as coisas que trazem tristeza, nem aquilo que promete uma pequena alegria no início, mas que, no fim, o afunda em profundo remorso e sofrimento.

Por que buscar a alegria suplicando favores das coisas materiais, de curta duração? Por que depender de coisas efêmeras para obter alegrias semelhantes? Os objetos materiais e a satisfação dos desejos materiais são temporários; portanto, todas as alegrias provenientes disso não duram. Alimentos, perfumadas fragrâncias, música, a visão de belos objetos, o contato com coisas agradáveis – são todos prazeres evanescentes, que só duram o tempo de existência das sensações do paladar, do olfato, da audição, da visão e do tato.

Você quer a alegria sempre nova, porém imutável

Você não quer uma alegria torturante e transitória, que traz sofrimento em seu rastro; anseia pela alegria que não desaparece como um repentino bater de asas translúcidas, no clarão de um raio. Busque a alegria que brilha para sempre, de modo estável, como o elemento rádio, sempre luminoso.

E, no entanto, você também não quer uma alegria que seja sempre igual. Deseja a alegria que muda e dança, que encanta a mente de muitas maneiras e mantém a atenção ocupada e interessada para sempre. A alegria que vem aos trancos é apenas torturante; a alegria monótona é cansativa; a alegria que dura pouco e que traz tristeza no final é indesejável; a alegria momentânea, que depois adeja para longe e o mergulha em estado de indiferença cada vez mais profundo, é torturante.

A alegria que muda ritmicamente o tempo todo e, no entanto, se mantém essencialmente imutável, é a posse interna que todos buscamos. Essa alegria só pode ser encontrada com a meditação regular e profunda. Apenas uma fonte sempre nova e imutável de alegria é que pode saciar nossa sede de felicidade. Por sua própria natureza, a alegria sempre nova é a única que nunca pode cansar a mente ou fazer com que a queiramos trocar por outra coisa.

Em busca da alegria

Na procura do mal ou do bem, o que você sempre busca é a alegria. O mal a promete, mas lhe dá sofrimento; o bem talvez prometa tristezas, mas certamente produzirá alegria duradoura no final. A alegria duradoura e sempre nova é Deus. Quando O encontrar, você terá o “algo mais”, o eternamente fugidio fogo fátuo que sempre procura, mesmo depois de satisfazer os desejos que achou que lhe trariam felicidade. Ao encontrar este “algo mais”, você terminará a busca. Na alegria sempre nova, você encontrará toda a felicidade esperada em tudo que sempre procurou.

Os objetos materiais que dão prazer ficam fora da mente. Eles, e o prazer que proporcionam, entram na mente apenas por meio da imaginação. A alegria, sendo a venturosa consciência do Espírito na alma humana, nasce da mente interiorizada e é a que está mais próxima de nós. Quando os objetos externos dos prazeres dos sentidos são destruídos, também é destruída a felicidade que eles propiciam; contudo, a alegria interior da alma jamais pode ser destruída, se soubermos como manter a sintonia – a não ser que mudemos deliberadamente de estado mental e fiquemos pesarosos. A alegria da alma é sempre nova e indestrutível.

Não busque a alegria por meio de agentes materiais, nem alimente desejos despertados por experiências mundanas. Busque a Alegria pura, indestrutível e incondicional no seu interior e, então, terá encontrado a Alegria sempre consciente e nova – Deus. Essa alegria não é uma qualidade abstrata da mente; é a qualidade do Espírito, consciente, autocriada e com auto-expressão. Busque-a e encontre conforto para sempre.

Ao alcançar a alegria sempre nova pela renúncia aos prazeres materiais, você não se torna um cínico, que odeia qualquer pessoa que desfrute dos saudáveis prazeres da criação divina. Em vez disso, pela primeira vez, você passa a estar em posição de apreciar tudo da maneira certa. Como filho imortal de Deus, espera-se que você desfrute de tudo com a atitude duradoura e venturosa de sua natureza eterna, que é a alegria perpétua. Pessoas que apreciam as coisas materiais, sem conhecer primeiro a alegria superior de Deus, tornam-se materialistas. É uma desgraça comportar-se como mortal insatisfeito quando você é imortal, feito à imagem de Deus.

A alegria divina é a mais real

Depois que você sente a alegria divina, Deus se torna mais real do que qualquer outra coisa; você descobre que a consciência de Sua presença é mais jubilosa do que qualquer prazer dos sentidos, mais tentadora do que qualquer outra tentação. Enquanto não sentir a alegria de Deus, nunca conseguirá alcançar Sua divina glória; nunca poderá saber a felicidade que há em ser o rei dos reis e um príncipe de luz.

Quando imortais agem como mortais, experimentam as mudanças do prazer, do sofrimento e da indiferença em sua natureza. É por isso que você deve destruir a natureza de mutabilidade, enxertada em sua imutável natureza de alegria. E, quando tiver encontrado sua própria natureza de alegria imutável, poderá apreciar tudo, agradável ou desagradável, com sua alegria imutável e indestrutível. Sua alegria permanecerá inabalada, em meio à destrutiva tormenta dos prazeres terrenos.

Medite na alegria

Sempre que uma pequena bolha de alegria aparecer em sua consciência invisível, seja qual for o motivo, segure-a firme e continue a expandi-la. Medite sobre ela, e ela aumentará. Não observe as limitações da bolha de alegria, mas continue expandindo-a até aumentar seu volume. Continue soprando a bolha com o alento da concentração interior, até que se espalhe por todo o seu rosto, coração, corpo e mente; e pelo Oceano de Infinidade que se oculta em sua consciência. Continue soprando a bolha de alegria, até que estoure as paredes limitadoras e se torne o oceano de Alegria.

A felicidade que Deus dá é maior do que qualquer coisa que o mundo oferece. A alegria divina é duradoura e eterna. Quando tudo mais se desvanece, a alegria permanece. Se quiser experimentá-la, passe mais tempo sozinho. Não se esqueça, a única felicidade verdadeira está em comungar com o Senhor na meditação. Separe-se de pensamentos e emoções, mantenha um lugar secreto para Deus na alma e, quando lá entrar para meditar profundamente, encontrará a verdadeira felicidade.

* * * * * *

Trechos da Bíblia: Versão de João Ferreira de Almeida
Trechos da Autobiografia de um Iogue: Tradução oficial                    Rio de Janeiro – Cópia 2004/05/08\11/14/17

 

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
O material Self-Realization Fellowship Readings(Leituras para serviços da Self-Realization Fellowship) foi selecionado de publicações da SRF, com reserva de direitos autorais da Self-Realization Fellowship. Este material não pode ser traduzido para nenhum outro idioma, reproduzido sob qualquer forma ou distribuído, sem autorização da Self-Realization Fellowship, 3880 San Rafael Avenue, Los Angeles, Califórnia 90065, EUA.

Observação: esta é uma tradução não-oficial. Não foi revista nem aprovada pela Sede Central.